v Obra24horas | Entrevistas > Sinduscon-SP lança guia de emissões de gases de efeito estufa
Obra24horas > Entrevistas >
ENTREVISTAS

Sinduscon-SP lança guia de emissões de gases de efeito estufa

 

Francisco Vasconcellos

 

Na trilha de soluções que ajudem no combate ao aquecimento global, o Sindicato da Construção São Paulo (Sinduscon-SP) lançou em junho o Guia Metodológico para Inventários de Gases de Efeito Estufa (GEE) na Construção Civil – Setor Edificações. A publicação, que propõe um padrão metodológico para as construtoras e incorporadoras elaborarem inventários, é uma realização da vice-presidência de Meio Ambiente do sindicato e do seu Comitê de Meio Ambiente (Comasp).

Com coordenação de Francisco Vasconcellos (vice-presidente de Meio Ambiente); André Aranha (coordenador do Comasp) e Lilian Sarrouf (coordenadora técnica do Comasp), e consultoria de Ricardo Neuding e Roberto Marin, da ATA Ativos Técnicos e Ambientais, o guia foi constituído com base nos princípios e recomendações das Normas Gerais referentes a inventários corporativos de emissões de GEE previstas no Protocolo GHG e na ABNT NBR ISO 14.064-1:2007, além de orientações do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), da ONU. De cunho complementar, o guia apresenta orientações que tratam de questões específicas não abordadas nas Normas Gerais, visando contribuir com as metas para a redução de emissões.

O projeto contou ainda com ativa participação da CCDI, Cyrela, Even, Odebrecht Realizações Imobiliárias, Racional, Rossi, Stan e Tecnisa, que contribuíram voluntariamente com a expertise, apresentando suas dificuldades na elaboração dos inventários, bem como propostas de novas ações visando reduzir as emissões. Uma das grandes preocupações do grupo envolvido no projeto foi garantir a difusão e a aplicabilidade do guia, incentivando seu uso. A intenção é implementar um sistema padrão para a elaboração de inventários.

Conversamos com o vice-presidente de Meio Ambiente do SindusCon-SP, Francisco Vasconcellos, sobre o Guia e sua importância.

Obra24Horas: O que é o Guia Metodológico para Inventários de Gases de Efeito Estufa (GEE) na Construção Civil – Setor Edificações?

Francisco Vasconcellos: Esse guia foi feito devido a uma demanda de empresas associadas em relação a uma padronização na forma de cálculos na emissão de gases de efeito estufa, pois essas empresas estavam tendo como base apenas o Protocolo GHG, mas esses padrões são mais gerais da indústria e não específicos para construção civil. Então a padronização vem como um norte para as companhias realizarem esse cálculo e deixarem de fazer cada qual de seu jeito. Vale ressaltar que as diferenças de cálculos não eram gritantes, o grande problema era a dificuldade de montar uma estrutura de comparação, o que é muito importante para as construtoras analisarem como estão quando comparadas às outras que fazem o mesmo tipo de análise.

O grande avanço desse Guia é a padronização de critérios.

Obra24Horas: Quanto tempo foi preciso para montar e quem o escreveu?

Francisco Vasconcellos: Demorou cerca de quatro a cinco meses. Esse trabalho contou com especialistas da Ativos Técnicos e da Comasp. Além disso, os técnicos de cada construtora participaram do processo. Foi discutido onde havia divergência até se chegar em um acordo no padrão que seria usado.

Obra24Horas: Como as construtoras podem usar o que é ensinado nele?

Francisco Vasconcellos: É muito simples. É só pegar o manual e fazer o cálculo. Ele pode ser baixado no site do Sinduscon-SP, é gratuito e essa sempre foi a ideia do Sindicato: oferecer material gratuito e de qualidade aos associados.

Obra24Horas: Como está sendo sua aceitação?

Francisco Vasconcellos: Muito boa. Não tínhamos expectativas de grande dificuldade, primeiro porque é um assunto importante. O manual não faz crítica e nem tenta mudar nada, o que ele faz é criar um ambiente de colaboração e troca de informação para estabelecer um padrão ideal, baseado no GHG Protocol, que é um padrão internacional para definir cálculos de emissão de carbono para qualquer atividade produtiva. O que queremos agora é que as empresas o usem e nos enviem sugestões de pontos para serem melhorados, para que possamos, em uma segunda edição, melhorar.

Obra24Horas: O que é considerado inaceitável em termos de produção de gases estufa pela construção civil?

Francisco Vasconcellos: Antes de tudo, para dizer o que é bom ou ruim, é preciso saber medir. O grande benefício do manual é criar um padrão e explicar como se mede. A partir daí, cada empresa vai calcular seu canteiro e fará uma avaliação. Por isso que o Guia é importante, a partir dos cálculos contidos nele, a empresa poderá se comparar com outra e ver o que está produzindo e se está emitindo menos carbono, se não, como fazer para diminuir isso.

Obra24Horas: Porque tanto se fala dos danos ao meio ambiente causados pela construção civil?

Francisco Vasconcellos: O problema é de qualquer atividade, seja indústria ou comércio. Qualquer coisa que se faça está emitindo gases de efeito estufa a todo tempo, inclusive nós, pessoas físicas. Seja usando o ar condicionado, andando de carro e concretando laje. A questão é um problema para todos. O mais importante é ter como mensurar isso para, a partir daí, tomar uma providência.

O Sinduscon-SP cria informação de boa qualidade e com bastante conteúdo para ser disseminada de forma gratuita e transparente. Quanto mais informação, mais se quebra o mito sobre o malefício da construção civil para o meio ambiente. Há um tempo, foi disseminada a informação de que a cada três prédios construídos, um era entulho que se jogava fora. Isso é um grande mito e ajudou a criar ideia de um desperdício absurdo. Muito se falou sobre isso até que foi provou o contrário, que as perdas são iguais às da indústria como um todo.

Outro dia, por exemplo, um técnico falou que a meta seria eliminar 30% da emissão de gases estufa, mas 99,9% das empresas não sabem nem quanto emitem, daí saber quanto diminuir é demais. Criar informação correta, com embasamento, é um trabalho grande que cabe às entidades. O Sinduscon-SP tem essa consciência, tanto que criou a área de Meio Ambiente em 2000, a primeira do Brasil.

Obra24Horas: A sustentabilidade é hoje uma questão importante para as construtoras?

Francisco Vasconcellos: Não tenho dúvidas que esse ponto já virou realidade. Em São Paulo, principalmente, existe uma preocupação maior por parte das construtoras, além de uma clareza de como ela está impactando a questão ambiental. O que temos feito ultimamente é procurar caminhos que criem impactos menores, por meio de simplificações, como o Guia.

Empresas são tocadas por seres humanos, pessoas engajadas e conscientes que atuam de forma pró-ativas. Acredito que a ação nas empresas está ligada as pessoas que a conduzem. Há companhias que efetivamente vão procurar ter informação e ferramentas e outras nem tanto. Elas nada mais são do que extensão da sociedade. A grande consciência que veio das empresas, de forma geral, surgiu em função da conscientização de colaboradores e da exigência de consumidores, ambiente esse que faz com que as construtoras se mexam.

Obra24Horas: Alguma outra consideração importante?

Francisco Vasconcellos: Vale lembrar que o Guia Metodológico para Inventários de Gases de Efeito Estufa (GEE) na Construção Civil – Setor Edificações é uma ferramenta que foi testada por todas as empresas que participaram de sua criação. Por ser técnica, ela não é simples, mas um especialista consegue facilmente utilizá-la. Quem estiver alinhado com a questão ambiental e quiser agir, já tem uma boa ferramenta à sua disposição.

 

Entrevista para a jornalista Érica Nacarato, redatora do Portal Obra24horas.

Copyright Portal Obra24horas | 2005-2021
Contato: (011) 3124-5324 | Termos de Uso